31/05/2018

Voz do coração


Se as flores murcharem, a chuva não vier...
Se o tempo passar, o dia não vir...
Se com o doce exposto, o colibri não vier...
Teu riso, ah teu riso de amor adocicar...
Mas quando as flores brotarem, abrirem e exalar...
Mas quando o tempo chegar, o tempo de amar...
Mas quando o doce do amor nos cobrir...
Então vou te amar com tantos dizeres,
prazeres e esperar que uma gotícula de orvalho se descuide e caia...
Aí vou novamente fazer uma luz ressurgir e
pra sempre te amar.
Vou te abraçar bem ligeiro pra não deixar escapar de mim,
esse amor essa vida...
Quero te encostar no meu peito com muita emoção
e te fazer escutar a voz do meu coração...
Com certeza vais escutar do começo ao fim a voz do meu coração.
A voz de amar. 

Nilson Ericeira

Na festa do Grupama: deveres de pai e de mãe!


Dia das mães no Grupama é todos os dias




Assim se pronunciou o pastor Nivaldo acrescentando que o Dia das mães é tão importante que deve ser comemorado, vivido e contemplado todos os dias.
Já o idealizador da festa em comemoração ao Dia das Mães, professor Edmilson, forma carinhosa com que os seus mais de 500 alunos do futebol lhe atribuem, falou emocionado da festa e do que para ele é razão de alegria e felicidade, que é realizar um evento que reúne os alunos da escolinha, os seus pais e responsáveis e os amigos. Agradeceu primeiro a Deus por importantes obras na sua vida e na vida de todos.
Desde ás 8h:30, os alunos se prepararam para entrar em campo e representar bem as equipes da Escolinha do Grupama e de outros convidados que deram brilho à festa, na disputa de campeonatos paralelos, realizados nos dois campos do Ibama. Na torcida, os pais, os amigos, os responsáveis e pessoas que dão apoio ao importante Projeto da Escolinha Grupama. Enquanto isso no salão principal, as mães e os pais se revezavam em preparar o ambiente para o que mais tarde seria a distribuição de presentes.
Logo após as falas e entrega dos troféus, foi servido um lanche e bolo para os presentes.
O projeto Grupama é uma iniciativa em que todos saem vencedores que prepara os alunos para a vida. Neste sentido, resgata crianças, adolescentes e jovens para a prática do futebol, mas que tem como principal item que a criança esteja devidamente matriculada e frequente na escola.
Gol de placa – No final todos saíram ganhando e já estão sendo articulados outros eventos de igual importância no sentido de agregar não somente os alunos, mas os pais, responsáveis e amigos que têm contribuído direta ou indiretamente com esta ação social.






Garotos bons de bola: Grupama em torneio em homenagem às mães.


PENSAMENTO DO DIA: A hipocrisia funciona como que uma plástica, que algumas pessoas usam para aparência e representação do que não são. Mas, com o tempo, assimilam e incorporam a seus endereços morais ao ponto de se tornar código de conduta. O que os tornam pessoas indignas. (NIlson Ericeira)

30/05/2018

Perdão, amor!

O tempo espera lá fora para exigir de mim.
Aquilo que outrora eu vivia e nem sabia que era o amor.
Apenas e tão pequena me vir a gostar de alguém assim.
E, por favor, não vá embora, pois o sentimento de outrora,
agora revigora em mim.
Mas é certo que o amor me deixou feridas
e marcas do tempo que quase não deu para suportar.
Eu me lembro agora, que o amor não tem hora e a qualquer tempo volta a apontar.
E mesmo com as feridas sangrando, o amor me acompanha e só me pede para voltar.
Mas se por acaso zombar de mim, saiba que quem ama perdoa
e a qualquer tempo perdoa e quer amar.
E não se importa com nada,
nem mesmo como as cicatrizes das feridas que ainda não acabaram de sarar.
Só mesmo o tempo dirá se esse amor vai ser correspondido,
pois eu conto com tempo que passou,
com mais o que restou para tudo outra vez relembrar.
Eu sei que para quem ama há nada igual que aceitar o amor sempre,
em qualquer lugar e não importa a estação.
Pois o amor fala mais alto e o sentimento que responde e o coração.
Então, volte logo, venha correndo,
mas venha mesmo me dizendo que me quer outra vez amar.


Nilson Ericeira


Para abrilhantar a minha página assim como fazem-se as páginas de minha vida!

As sementes do bem e o resultado da frutificação


Aprendemos desde pequenos que precisamos semear ou plantar para que tenhamos uma expectativa de colheitas. Mas não obstante, precisamos cuidar das sementes desde a concepção até à vida para boas colheitas. Da mesma maneira que cultivamos e cultuamos valores, pondo em prática nas nossas interações sociais. De raiz nos é passada esta orientação e deve ser exaustivamente repetida, pois é húmus da vida.
Mesmo que eu pretendesse nomear a minha fala de romântica, ainda assim não seria, pois a vida nos ensina isto. Semeando o bem com toda certeza seremos recompensados pelo nosso Pai celestial. Devemos, pois, seguir os exemplos das pessoas que tiveram a vida como uma grande plantação de sementes do bem, mas sempre observaram que não apenas vale enfincar na terra e esperar que se faça fruto. Isto mostra que não devemos descuidar de nossas sementes por mais viçosas ou maturadas que nos pareçam.
Quem não se dispõe a semear e plantar as sementes do bem, desde logo mostra que também não terá bons frutos como consequência, aliás, não soube e nem saberá enxergar o que é a lavoura da vida.  Isto também passa pela forma como os nossos pais nos formaram e de que forma assimilamos os valores que nos repassaram. E, tenho percebido de como é bonito ver os pais felizes com seus filhos e nisto não há a implicância de valores materiais, pois o amor não se mensura pelo aspecto patrimonial, mas com o olhar de igualdade que transpira do coração.
Pois é na semeadura e na plantação que temos a oportunidade de colocar as melhores sementes e é na vida que poderemos por a mostra o quanto somos capazes de transformar as pessoas para melhor. Dessa forma serão capazes de ser não só as melhores sementes, mas frutos de Deus! É assim que eu penso! Então, aceite o meu abraço na forma de demonstração de que unidos sempre seremos mais de um na colheita da vida abundante.

Do baú de minha biografia



Trabalhando na feira da Cidade Operária. Mês de dezembro, nessa época existiam muito clientes. A feira não eram tão suja e largada como está. No decorrer do tempo aumentou o descaso da autoridades. literalmente não ligam para a Feira, é como se nesta região não morasse gente.