31/03/2018

A BARATA CASCUDINHA: MIL E UMA PERIPÉCIAS


A Barata Cascudinha não tem jeito está sempre aprontando as suas boas. Recentemente esteve no exterior defendendo a sua tese de mestrado em ‘bestologia’, afora-se de conhecedora de educação, mas na prática é só emitir zoada por meio de suas asas ou mesmo quelíceras. Impressionar é preciso!
Mas ela não se inibe, demonstra-se expert quando o assunto é educação. Mesmo não tendo formação na área, impressiona com suas invencionices. Já até prometera um método para alfabetizar animais do mesmo gênero.  Vive discursando, querendo impressionar a outros não menos desinformados. E assim segue no reino que Zeus lhe prometera como recompensa de tanto esforço.
E cruza as assas para cá e pra lá para chamar atenção. E não é que chama! E o zangão que nem se importa com seu voo nupcial. Ih, havia se esquecido de que não se dá bem com as abelhas!
As peripécias da barata cascudinha não terminam na disseminação de estórias, mas proliferam no reino da fantasia. Aos poucos os seus métodos com base no ócio, na preguiça, no marasmo e na falsidade e fantasia caem por terra ante a uma realidade tão oposta a do que se mostra adepta. Mas é preciso sustentar seus saltos, mesmo que para isso, ela passe por alguns vexames, como por exemplo, o de não sustentar suas teses, pois não passam de discursos ocos, especulações e invencionices que beiram a devaneios.  
O barato da Barata é outro que não fica atrás, tido como de inteligência fina e faro acurado para maldades, alheio à seriedade e dá coro a sua baratinha de estimação. Nem se importa com as peripécias da Barata Cascudinha. A Barata Cascudinha e seus cascudinhos já até criaram um partido político e logo disputarão a eleição de provedor-mor do ‘puxa-saquismo’. Ideólogos até no olhar, esperam sobrevoar sobre cabeças justas imputando-lhes o veneno de suas crenças.

No prelo - A barata cascudinha: mil e uma peripécias!

Educação de Arari em aula muito especiais!


O Município de Arari, por meio da Secretaria de Educação (Seemd), contratou professor de Libras para atender alunos surdos. Esta ação contempla estudantes da Rede de Ensino Público Municipal, sendo que durante a semana, o professor atenderá durante dois dias, segunda e terça-feira, na escola Professora Luíza Francelina, no turno noturno, quando exerce a atividade na função intérprete, e três dias na Semed, momento reservado para a alfabetização dos alunos com esta necessidade na Língua Brasileira de Sinais.
Ressalta-se o empenho do prefeito Djalma Melo e do Secretário de Educação, professor Marcelo Santana, no sentido de estruturar a Rede Municipal de Ensino no sentido de que possa atender a demanda existente.
A especialidade da referida ação reside também na interação entre alunos, professores e comunidade escolar, bem como faculta ainda a acessibilidade e a integração. A escola Luiza Francelina é a primeira da Rede a contar com a presença de um professor de Libras

O Estado produz e estetiza os bobos


Quando esperamos que o Estado faça mais do que faz ou fez, e isto não acontece é porque temos uma visão que vai muito além do simplismo adotado ou o de que querem que adotemos como correto.
A prova de que o estado pode fazer muito mais é a comprovação de que o tempo diz isto, pois há um período de ‘vacatio’ e outro de preenchimento de enxertos ou paliativos imediatistas. Disto o povo brasileiro conhece bem, pois logo que se aproximam as eleições, muitas ações tidas como omissão, começam a aparecem como se fosse brinquedo na época de Natal.
A rua asfaltada, a escola, o hospital, o funcionamento dele, a ambulância, a energia, a água, o esporte enfim. É no período das eleições que os governos se mostram eficientes e por vezes transparentes. É preciso mostrar que é melhor do que foi o do que tem sido. É preciso impressionar! Ganham carona nestas ações àqueles omissos por todo o tempo, uma vez que fazem deles as ações imediatistas do Poder Executivo.
No Brasil é assim que funciona. Os nossos representantes são emprenhados no é dando que se recebe. O voto, antes de ser uma procuração, passa a ser uma nota de quitanda em que a pessoa se 'empenha' e quando recebe o salário só faz repassá-lo para o comerciante. A consequência é que outros quatro ou oito anos vão passar para que os políticos-caixeiros reapareçam.
Tudo isto, para que tenhamos consciência ao exercemos a nossa cidadania pelo voto, devemos nos educar ou mesmo retificar nossas deformações de convicções de papeis jurídicos, como por exemplo: do exercício da cidadania e , principalmente, a verdadeira figura do Estado.

Amor ou completude

Quando sol me tocar e você vier.
E quando a luz surgir e você sorri para mim.
Anda assim espero mais, muito mais...
E se a flor insistir em nascer, aparecer, resplandecer!
E em aparições no meu coração esse amor.
É você!
E sua lua vier e você estiver comigo.
Ah eu serei o abraçar, o abrigo do amor.
Por favor venha em mim anunciar, pronunciar e amar.
E ficar para sempre sem férias e estações.
Pois só assim, eu serei feliz e farei disponível.
É que o que há em mim de melhor,
é você.
Mas se você me dissesse tudo que saber.
Eu beberei na fonte de amar.
E serei a composição, a mistura perfeita.
E até anunciarei o que é de mim que vem de você.
Então eu terei luz e caminhos e nascerei de novo.
Mas se você estiver comigo eu sempre serei.


Nilson Ericeira

Delação


Eu sei que não me postei nesta vida a ser um idiota
Talvez muitas vezes um patriota
Mas sei também que não via tudo e nem verei
Vi coisas que vi e as que não, senti dores...
A ter que sentir pena!
Não deveria, mas começa a valer
Sentir pena de alguém tão infeliz
È que é acometido do mal de si própria, esterilidade
Mesmo com pose de atriz
Anda bem que não me lambuzei com essa lama
Mas sei que o que o povo reclama, não tem vez
O povo é cidadão, mas logo passe a eleição,
é mais um consu-midor
Avançamos a sepultura a partir de nossa própria postura
O que fazia como moral e me incomodou é porque era imoral
Sempre fui!
O que é ético e imoral é tão obsoleto!
É esse o soneto dos homens maus
Porém, quando a injustiça já não te incomoda
É preciso cuidar do coração, pois teu ser estéril
Eu não vejo razão para tanta paparicação,
todos morremos do mal de inação
É essencial nos nutrimos de coisas boas
Enxergar-se no irmão
Mas o que fazer se não consegues nem dividir o pão?  

Nilson Ericeira

PENSAMENTO DO DIA: Equivocamo-nos quando imaginamos ser a nossa visão a mesma visão que outras pessoas têm de enxergar o mundo, pois a nossa é feita com a nossa percepção, outros sentidos e inteligências próprias, portanto inerentes à nós próprios. Outros agentes agem da mesma forma, contudo, são seres diferentes, e nem por isso são melhores ou piores. (Nilson Ericeira)

30/03/2018

Atos de contrição e amor ao próximo


Entendo que muitas coisas que acontecem em nossas vidas não somente têm que ser copiadas, cooptadas, mas que durem para sempre. Os valores que nos foram passados por nossos antepassados são exemplos disso. É evidente que vivemos num novo tempo, porém não devemos deixar de respeitar e obedecer aos sentidos da educação que somos derivantes.
Que não nos rotulem de saudosistas ou dogmáticos e nem de radicais conservadores. E que ainda não nos diferenciem pela região que temos e da que ainda não conseguimos enxergar. Mas somos de um tempo em que na Semana Santa nos dobravam ainda mais a uma obediência e contrição que não nos permitiam transgredir em ações e até em pequenos gestos. Mesmo sendo seguidores de uma educação permanente de respeito ao ser humano e às coisas de Deus. Só isso já seria o bastante para o homem não perder a condição de humano. A humanização é uma constante transformação do ser.
Na Semana Santa e em todos os dias de nossas vidas temos o dever ser éticos, corretos, respeitosos e humanos.  É nesse sentido que a família se constrói, no respeito, na harmonia distribuída e multiplicada e no amor constante. Não se espera vigas fortes de qualquer relação quando não há amor e respeito ao outro. Enxergar-se no outro é uma das melhores e mais plenas visões que se pode ter das relações sociais.
O sacrifício e a dor de Jesus Cristo na cruz nos remetem a um sentimento de amor incomparável e insubstituível de Alguém que é vida abundante, mas que se sujeitou a todo o sofrimento e morte para remissão da humanidade. Não há exemplo de amor maior, e o mínimo que podemos fazer é respeitar.

Nudez


No som da tua voz
Essência e líquido
No corpo
Encanto e formosura
Em trejeitos de teu jeito mulher!
Parece uma nuvem saltitante 
De encanto infinito
Bela igual às flores nuas e sensuais
Despida em essências
Tão fêmea que encosta no céu do sexo...


Mulher de formas exuberantes
De sensualidade ultra normal
Olhar de amor
Faceirice de fêmea fértil
Em teu suposto beijo
Sinto o aroma
No teu ser encontro
Escultura e beleza únicas

Que acelera e acalma meu coração
A quem me dobro de amor e paixão
Ser de amor, sede de amor...
O líquido em cálice
O silêncio ofegante
Amor alucinante
O sentido e o começo
O endereço, nexo e conexo
Vida saciada em ímpetos. 

Nilson Ericeira