22/07/2017

Os abismos do Estado



O governo brasileiro, entre a falácia e a retórica, funda-se na contradição e retórica fácil por meio de ilações e miragens
Tenho acompanhado a crise nacional. Parte dessa crise foi gerada pelo estado. Entendo que numa sociedade formada por valores e contra valores não nos surpreende a presença nociva de corruptos, porém não deveria em tese ser a regra e sim a exceção.
Porém é bom saber que a crise gerada pela corrupção não pode nos assaltar com aumento de impostos e negação de direitos, a isto eu chamo de retrocesso. A reforma da CLT para pior não estava nos planos dos trabalhadores brasileiros, pois com luta suor e sangue foram conquistados os direitos retirados agora. A CLT e preceitos constitucionais não é fruto da graça do executivo de plantão ou do acaso, mas por pressão. O coro das ruas definiu muitas coisas na vida do povo brasileiro.
O que acontece hoje é um retrocesso histórico a olhos vistos e sentidos na nossa própria pele. O presidente da República age com um boneco inflado ou mamulengo, isto sem nenhum ato pejorativo aos verdadeiros artistas. O melhor seria defini-lo como um ventríloquo. Pois com um discurso hilário e recheado de ilações tenta, como uma retórica tosca, confundir do contrário à realidade posta. A todo momento a alega a liberação do Fundo de Garantia dos Trabalhadores, como se o recurso fosse dele próprio. Uma benevolência!
Uma das coisas ruins para a democracia quando do domínio do PT e do PMDB, na minha opinião, foi a letargia do movimento sindical e de grande parte da militância. Governo que governava com o discurso da igualdade ao mesmo tempo em que quadrilhas rapinavam as finanças públicas. Puro contra senso! Com isso, houve uma desarticulação da luta dos trabalhadores.
Hoje somos governados por um governante sem crédito, sem condições morais e infiel. Michel Temer, inteligente que é, sabe que está sem crédito para continuar governando. Além disso, vale-se do cargo para massacrar os que não têm como se defender.  Enquanto isso, aumenta o fosso social e a violência encontra um terreno fértil para proliferar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário