31/07/2017

Fotografia



Hoje eu pensei em me enxergar noutro ângulo.
Olhar para mim e me fotografar.
Seria uma entre tantas fotografias.
Agruras e feridas que me fez.
Ir além: radiografia.
Amor e poesia...
Compor e encontrar o amor em mim.
E reflexos me encontrar nos meus mundos.
Talvez a até a síntese de uma luz.
Profetizar, aloprar, ser o que sou e não retardar.
Juro que nunca perderei a hora de amar.
Nem um segundo que fora, vou desperdiçar.
E na radiografia de mim tantos tons, sons, imagens do incondicional.
Mas eu não acho normal.
Posso dizer que alguém tão louco não possa esperar um pouco.
Só um pouco mais.
Queria parar o tempo e nem me importar com gente lá fora a esperar.
E não terão, pois o que guardarei comigo não é só meu.
As imagens da fotografia ou autopsicografia de amar.
A minha ilusão termina em ilações.
Devaneios de um poeta que busca coisas no ar.
É que flutuam sobre mim e abaixo de mim uns quês que nem sei explicar.
Valham-me palavras certas e me desafogar.
Postei em mim essa fotografia que quis inaugurar.
Pois tantas já amareladas me consomem nas paredes de meu coração.
E, assim, transformarei os reflexos de mim e autocomposição.

Nilson Ericeira

PARA REFLEXÃO SE COUBR: A nossa inquietude deve ser sempre de primar pela justiça, pela harmonia nas relações, pela garantia de nossos direitos e pela negação ao flagelo de todos os povos, seja por que razão for. (Nilson Ericeira)

PENSAMENTO DO DIA: A política é uma das formas de contemplação dos nossos direitos - fator gerador de cidadania - mas quando isto não acontece, conceitua-se em politicalha, deformação do que seria a essência em excremento. (Nilson Ericeira)

Como os nossos pais nos criaram I



Tenho cada vez mais solidificado em mim que são de nossos pais os créditos de nossa vida honrada. É a eles que tributamos toda a nossa forma de viver com dignidade, pois os ensinamentos de nossos pais nos são intrínsecos e formaram a nossa personalidade caráter.
A maneira de nos relacionar e respeitar as pessoas tem a ver com o que nossos pais nos mostraram durante toda a vida, por isso mesmo somos partes deles e eles devem sempre viver em nós. Os tempos mudam, as pessoas mudam, o mundo muda, mas nós conservaremos os ensinamentos que nos deram forma. Eis que somos valores originados da graça de educação que tivemos o privilégio de receber. Esta me parece ser a melhor lição de todos os dias. Não faça isso, não faça aquilo, quando dizemos sim à vida em sociedade. O que para uns pode ser muito caro, caro ouros me parece em boa conta.
Que são essas pessoas trabalhadoras que agora nos parece com as mãos trêmulas, com dificuldade de locomoção que nos são exemplos! Uns com um pouco a mais, outros com menos, souberam dosar a nossa altivez moral, prevendo que no futuro teriam grandes plantações, não para que se beneficiassem, mas para que pudesse descansar no amor e deixassem as fórmulas de como educar, disciplinar e amar por toda a vida. Uns sementeiros vistos pela ótica do coração dos pais.
A alegria de nossos pais é saber que de todas as sementes e de todas as formas frutificaram em seus filhos o que lhes fora desejado. Uns apenas com o conhecimento da vida (não formal) e outros com um pouco mais, porém trouxeram de raiz de seus ancestrais de que a dignidade é o maior valor dos homens.

30/07/2017

PARA REFLEXÃO SE COUBER: Há momentos que paramos para refletir sobre o que supostamente pensamos que já sabemos. Atitude que nos fortalece e ao mesmo tempo nos coloca num patamar de igualdade e desigualdade capazes nos tornarem pessoas melhores e assim começarmos a enxergar coisas tão simples que a nossa visão opaca não nos permitia. (Nilson Ericeira)

PENSAMENTO DO DIA: O acolhimento antes deve ser sentido no coração para que se complete nas pessoas. Pois acolher não significa apenas trazer para si um problema que aparentemente não é só seu, mas transfigurar-se num amor ao qual chamamos de solidariedade. (Nilson Ericeira)

Saudade doída



Há sentimentos que não dividimos com ninguém, não por egoísmo, mas por ser tão imanentes e sagrados que preferimos senti-los sozinhos, sofrermos sozinhos na subjetividade de mundos que não concretizamos.
E nessa resignação acabamos passando por insensíveis, mal sabendo os que julgam que o nosso coração dilacera em segundos.
Mas não podemos perder a fé, a esperança e acreditarmos sempre que há um Ser que nos rege do qual só podemos interferir nas suas decisões quando formos merecedores.
Hoje certamente mais um dia se passará abrindo sulcos no meu coração fechado e resignado.

As metáforas entre outras vantagens no levam a omitir com uma certa elegância nos levando a parafrasear no que e dor, no que é amor.
Contexto é que existem momentos da nossa vida que até a imensa saudade que sentimos, deixa-nos aos poucos como que numa câmara lenta, em partes.

28/07/2017

Enxofre no porão



O que há lá fora.
Permitam-me passar...
Sou desse lugar e quero regressar.
Lá fora o que há?
Eu sei que os seus pormenores não rimam com os meus.
Pois você: fariseu e eu: plebeu.
Quem me dera não saber chorar.
E resignar...
Quem me dera toda a razão,
a lógica e tudo o mais possível.
Mas é incrível não já me encucam as nações.
Prefiro à omissão.
A velejar em embarcações sem norte.
Prefiro rimar a remar sem direção.
Não sei por que não me dizem o que há na caverna;
Nessa escuridão!
Corrupção em papel de presentes.
Esquemas sistematizados, genocidas.
Há inteiramente uma pesticida.
Há podridão no Conselho e eu já não me arrisco aconselhar.
O rei está nu, despido e imoral.
Exala enxofre do seu porão.
O que eu fiz de tão mal!
Da honestidade que me visto não há em prateleiras.
Para parar de dizer besteiras, vou deixar essa meditação.
Dizendo que sei o que é o ardor da dor e do desamor.
Mas preciso me recompor para por em composição.
Pois este silêncio é da minha resignação.
E os sinais são do meu coração.
Com ruídos sei que não se estabelece comunicação.

Nilson Ericeira

Ponto de vista


A rede de mídia social é muito boa, mas quando usada excessivamente pode viciar e até provocar doenças.
O ócio, por não ter o que fazer ou mesmo por opção, é um bom aliado para a persistência em futilidades.
A pessoa fica tão viciada a não se dá conta que está usando de forma exagerada e que está às vezes se expondo e expondo outras pessoas.
Precisamos nos educar para este tipo de evento, pois caso não nos eduquemos, não conseguiremos usar de forma racional a rede social.
Por me sentir também atraído, luto constantemente para usá-las de maneira responsável e não excessiva.