21/05/2017

Ego-regresso II



Eu não tenho tido tempo.
É que às vezes me pego em solidão.
Não tenho tempo para abraçar o amigo,
parar um pouco, prestar atenção.
Espere um pouco!
Não posso.
Não tenho tempo!
É que o tempo que me foi dado livremente não me é suficiente.
Me desculpe, mas não tenho tempo.
Preciso acompanhar os outros sem-tempo.
Necessito correr atrás do tempo!
Nesta frenética vida, busco a solidão.
Acho que já não tenho tempo nem mesmo para mim.
Já pensou se não tiver mais tempo para nada.
O que será, o que seria?
De que viveria!
As flores ao nascer não guardaram a sua essência para um outro dia.
Assim, até o Sol não mais iluminará, pois precisa guardar-se em reservatório a sua luz a espera da incerteza.
O céu não terá clarão, pois se fechará em nós.
Nossos corações apenados pela pressa.
Estamos nos apequenando...
Se esse tempo passar eu morrerei antes de meu corpo.
Não serei ninguém e nem terei tempo de me arrepender.
Serei injusto!
Pois então, me espere que eu te espero.
Quero te abraçar, pois não quero ser um sujeito desse tempo de ego-regresso.
E assim, não economizarei o tempo que me é precioso.
E seguirei sedento e alerta para não passar antes de dizer: te amo!

Compadre Robrielle



Nenhum comentário:

Postar um comentário