14/03/2017

PONTO DE VISTA IV



Aqui da minha particular incipiência, confesso não compreender os porquês dos candidatos a cargos públicos majoritários (governador e senadores), no Maranhão, não saírem entre os políticos ou técnicos do interior do estado.
Políticos ou técnicos ou com as duas habilidades, pois há uma voz corrente que descaracteriza o técnico tentando imputar-lhe a mecha de que é técnico mas não é político, como se pudéssemos abrir mão da nossa condição essencial que é ‘ser político’. E ainda, esquecem ou fazem questão de esquecer que o verdadeiro tecido social e político se desenvolve é nos municípios. Os municípios, que mesmo tendo autonomia constitucional, não têm recursos para resolver com ações concretas diversos problemas que se alastram ano após ano. Nossos municípios têm inchado de forma excludente onde a maioria que ali vive nunca terá acesso a bens essenciais e garantidos constitucionalmente.  Isto é no mínimo paradoxal.
Assim, não há como negar a ausência do Estado nos municípios que só aparece quando se aproximam as eleições. Chega-se até a pensar que haverá uma continuidade desta ou daquela Política Pública (gera uma confusão nos nossos sentidos).  Mas é um arremedo, pois longe de mim pensar que períodos sazonais possa ser confundido com Política Pública.
Na esteira desta opinião, pode ser por omissão, falta de planejamento ou mesmo por acreditarem que o povo lhes conferiram novos mandatos da forma que lhes convêm. Ratificação do status quo! Depois é só amargar a espera, pois quatro e oito anos não passam em passe de mágica.
Talvez ‘escolher’ entre os políticos que fazem política nos municípios para a disputa majoritária seja uma saída plausível. Mas como não entendo de política, pode ser que esteja equivocado. Mesmo assim, deixo a minha impressão.  Pois vejo que há bons e competentes políticos em alguns municípios do Maranhão que comprovadamente administram bem os seus municípios. Ainda bem que existem alguns! Será que não seria uma forma de mostrar para o Maranhão que nem todos são iguais ou usam dos mesmos métodos?  Esta é uma ebulição necessária.
Neste contexto, acredito que as vezes precisamos abrir mão de algumas conquistas pessoais para conquistarmos lá na frente algumas que não somente no dignifiquem, mas que resgatem a cidadania de muitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário