06/03/2017

Fio a fio



Eis que um brilho silenciou-me.
Eis que uma umidade me molhou.
Eis que vagarosamente um calor emergiu.
Um fogo em mim me implodiu.
E silenciosamente um mundo em mim encobriu.
Um amor mais que perfeito me silenciou.
Na minha contravenção me despertou.
E no pretérito tudo em mim reminiscência.

Eis que na minha imperfeição declarei.
Amor que por ti silenciei.
E vaguei vagueando, viajando, sonhando...
Em que as noites frias e doídas em mim viraram sina.
Daquele amor que outrora me aqueceu.
Cinzas revolucionaram fraquezas de um pretérito.
E no tempo e no espaço calei em mim dores terríveis.
Eis que igual a um novelo de fio sem pontas.
Vaguei tecendo fio a fio os meus desencontros.
Ilusões e devaneios de amar.
Mas mesmo assim te trouxe de volta pra mim.
Naquele mesmo brio que me silenciou.
A fagulha desse amor incontido.
O mesmo corpo que me faz doer os ossos.
O mesmo calor que outrora me aqueceu.
E no presente, o mesmo amor que me dá vida.
Loci que sempre me guardou.
O teu coração que sempre me pretendeu.
E no som as batidas de mim...

Compadre Robriellle

Nenhum comentário:

Postar um comentário