13/03/2017

Auto confissão



Não me matarei a mim mesmo.
Não serei fonte poética e nem me apartarei de mim.
Enquanto viver sonhos, fantasias e saudade...
Nem prometo me juntar de escombros enquanto letras se juntarem.

E se no amanhã novas imagens,
já nem terei a que contemplar.
Prefiro sentir agora a esperar pelo tempo incerto.
Prefiro ainda juntar o amor à voz do coração.
Até que outras ilusões se forjem.

Não me suicidarei e nem me procurarei em escombros.
E beberei sempre na fonte do amor na medida certa para não me embebedar.
Mas juro que mesmo que em devaneio, nesta vida eu sempre vou te amar.
E jamais esquecerei do que é marca profunda em meu coração.
Esse amor que em minha vida ei de sempre louvar.

Robrielle


Nenhum comentário:

Postar um comentário