31/05/2016

Eco-grito




Ainda acho que estou preso.
O meu grito não sai quando ninguém escuta, aborrece-me.
Há palavras contidas, sentimentos reprimidos...
Vozes não correspondidas.
Há um grito contido, uns gemidos nem sempre percebidos.
Olhares que não alcançam.
Um corpo pedinte, carente.
Um grito preso, pessoas sem casa, sem abraços.
Há uma violência que passa de nós e nos demonstra o quanto somos desprovidos.
E nessa hipocrisia precisamos soltar nossos gritos.
Demonstrar e realizar nosso amor.
E somente assim podemos satisfazer nosso ser.
Dá gritos, emitir vozes, ser escutados e compreendidos.
E saber que somos o que deixamos sair de nós e o que reprimimos.
Por isso somos o eco, mas somos os gritos.



Robrielle

PENSAMENTO DO DIA: “A vida passa a ser essencialmente mais importante quando descobrimos o bem que a justiça faz para as pessoas e passamos a, de uma forma ou de outra, patrociná-la como objetivo de princípios e valores humanos e cristãos.” (Nilson Ericeira)

Alunos de Arari terão acesso ao aprendizado de música



Começou hoje em Arari, dia 31 de maio, o Projeto Piloto de Música na Escola Municipal: “Dó, Re, Mi, Fá Só, Lá, Sei”. Em princípio as aulas serão ministradas na sala da supervisão da Semed, sob a orientação do professor Romilson Fredson Cardoso Sena.  
Os alunos são das escolas municipais da sede e, em um segundo momento, também terão oportunidade os alunos das escolas da zona rural. Agora envolve as escolas José Francisco, Luiza Francelina, Cidade de Arari, Pe. Brandt e Maria Gregória da Conceição.
O projeto de música na escola de Arari é uma ação do Poder Executivo Municipal por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed). A intenção e ação foram assimiladas  pelo prefeito Djalma Melo que está dando o apoio necessário para o que o Projeto comece e se desenvolva em toda Rede de Ensino.
O secretário Nilson de Jesus Sousa (Nilson Ericeira) falou com os alunos logo no começo da primeira aula. Fez recomendações quanto à disciplina, oportunidade, crescimento e humanização por meio da música. “Sei que hoje estamos alegres, eu, vocês, os professores e a família de cada um. Tenho certeza que brilharão em breve. Não consigo esconder a minha alegria!”
Trata-se de uma oportunidade para que os alunos das escolas municipais tenham acesso à aprendizagem de instrumentos musicais. A intenção neste momento é que manuseiem em aprendizagem de violão, teclado e flauta. O projeto é inédito em Arari e tem entre seus objetivos o de integrar à música ao conhecimento formal, fazendo com que o aluno da escola pública aprenda música na própria escola valorizando as outras disciplinas curriculares. 
Esta ação envolve um dos pilares da educação que é aprender a aprender. 

30/05/2016

Divagações II



Às vezes eu sinto vontade de ser maior que meu corpo.
Ser maior que meus sentimentos e bem maior que minha alma.
E na transcendência ganhar asas e viajar no tempo e sem ter lamentos.
Não pousar sem que anuncie pretensões minhas de ser bem maior que mim mesmo.
Mas sei que isso se explica ao tentar fugir de mim mesmo e negar amor e me fazer menor.
Já tive até vontade de ser o céu com estrelas ou em solidão de noites sem brilho.
Ser a imensidão que não cala meu coração.
Às vezes eu fico a imaginar que seria de mim sem essa obsessões e devaneios.
Penso que até apressaria a minha morte e me julgariam um ser sem sorte.
Mas eu sou gente e gente que transpira, demonstra e quer amar.
Amar nem que seja na última viagem que partira.
Ou mesmo nas estações de mundos meus tão confusos.
E se pudesse ter a certeza de que voaria, seria colibri e batia asas...
Assas ao encontro de mim mesmo e me satisfazer com o teu abraço.
Eu sei que ainda me impulsionarei nas folhas do tempo e regarei esse sentimento tão especial.
E serei o calor do teu corpo, a face da tua face e olhos a procura de mim mesmo.
Num dia qualquer me farei viagem, terei miragens, e até terei a impressão que pousei em ti.
Silenciarei teu coração pra te dizer o que saber, te amor!
Declamarei poemas de tantos que burilam palavras como um doce.
Talvez o doce do olhar, do sentir e do amar...

Robrielle


Fragmentos de: Arari, canção de amor!



De toda a flor e de todo o amor e do que se formar.
Eu quero voltar pra o meu lugar.
Apenas viver em paz com quem me fez e me projetou.
Eu sentir o cheiro das flores e da terra molha que aos pouco se transforma.
Eu que o doce eu quero forma.
Dessa fórmula que nos integra.
Quero amor que me alimenta, o amor que me regenera e me acolhe.
Eu quero voltar pra Arari.
Quero ver correr os campos com a voz e o grito de um menino.
Tanger boiadas inteiras a desaviar campeiros.Vaqueiros, meeiros com seus tangedores...
Quero ser o canteiro, o estrume e a flor.
Eu sou de Arari, meu grande amor!
Quero ir a boca campo e ver piabas, pacus, curimatás, em enxurradas.
Quero paquerar na madrugada.
Quero ter i que eu sou, quero voltar pra Arari.
Desfrutar do doce dessa terra que é chama.
Quero o doce de quem ama e se satisfaz.
Assim eu vou viver eternamente a lembrar que eu nasci só pra te amar.
Oh minha terra, doce paixão, em brilho quero te dar meu coração.
Serei que serei matéria e voltarei pro céu de ti.
Mas te amarei pra sempre dentro de mim.
Ah, Arari, meu berço esplêndido, meu começo e fim.
Pois eu nasci pra te amar, sair de ti e pra ti que quero voltar. 

Robrielle