31/12/2015

A minha imagem consciente e a simbologia dos números


Sou meio cético a não aceitação do outro por ocasião! Não também por que entenda erradas as manifestações plurais de tanta gente nestes dias de transição, mas porque gosto de sentir todos os dias a sensação de ser amigo e agir como tal. Isso é uma prática que adotei para a minha vida.
Não obstante a tantas manifestações de carinho, confiança, solidariedade, respeito e amizade, honra-me ser amigo e ter o carinho de tanta gente.
Eu sei que tentei acertar o tempo inteiro e com todas as coisas que tentei realizar, mas o fato de nunca está sozinho, deu-me a segurança de algumas realizações. O que fiz, com absoluta certeza, não tentei atingir a pessoa, o ser humano, de forma maldosa ou preconceituosa.
E neste intervalo em que nos despedimos de uma ano muito difícil, lamento dizer que o fatos políticos não mudam por simbologias e solidariedade transitórias, palavras recheadas ou chavões, mas sim por ações conscientes. Não digo com isso que 2016 será melhor ou pior, mas é preciso que muitas decisões sejam tomadas. Exercer liderança implica agregação de valores! Não mudará nada com a mudança de dígitos, o mínimo que pode fazer é renovar esperança, porém com ações concretas.
Poderemos ser mais, poderemos ser menos, mas devemos ser o suficiente para ser bons. Este ano conheci tantas pessoas boas que se aliaram as que eu já conhecia, tive novas ilusões e quebrei desilusões, acreditei, decepcionei-me, sorrir e chorei, mas em nenhum segundo duvidei de quem me fez e me transformou! Posso até dizer, e até disse para alguns amigos mais presentes fisicamente, que a dor dos outros doía mais em mim que meu contorcionismo provocado pela meia idade, por trabalho e estudos. Deus opera: o que parecia turvo, acabou me dando bons resultados. E mais, o homem não consegue ser feliz na solidão.
Enfim, devemos ser gratos a Deus por tudo que nos acontece, pois há hora para celebrar e hora para despedidas, sentido em que devemos amadurecer para compreender e ter consciência plena do ciclo da vida.

Por uns segundos


Se meu amor não for pequeno, se meus braços te alcançarem por um dias.
Uns segundos até...
Se meus abraços te abraçarem eu morrerei de rir de mim.
E se meu coração te aquecer em peito meu é porque o calor que vem de ti me abrasa feito o fogo do amor.
Mas se eu te procurar em todos os lugares, voltarei pro peito meu.
Pois eu sei que meu coração é teu abrigo, até desdenham, eu não ligo, pois nasci para te amar.
E se vieres de mansinho, me fizeres um bom carinho eu não quero te dizer.
Anestesiado vou pedi pra não morrer.
Mas se isto acontecer, lanço mão da vida minha que é tua e vive no meu coração.

Robrielle

PENSAMENTO DO DIA: “Há pessoas que amamos e são eternas em nossas vidas. Há também as que ao conhecermos, sabemos que são verdadeiras, honestas e justas; mas há as que nos acolhem no coração, estas são especiais.” (Nilson Ericeira)

Asfixia



Se me faltarem palavras e gestos não compreensíveis.
Serei vácuo e tempo levado, perdido, esquecido...
Se me faltarem dizeres, eu emudecido, entristecido, aborrecido...
Asfixiarei.    
Se eu não conseguir falar, morrerei, escaparei de mim e serei um cisco levado.
E se eu deixar de sentir, estéril serei.
Por isso eu preciso dizer, gesticular, falar e amar.
Por que se eu não disse deixarei de existir em mim.
Mas se acaso não me compreenderes eu terei dizeres.
Pois sei que há em mim uma coisa que nunca vai calar.
Eu nem sei conceituar, decifrar, mas é amor.
Agora eu vou pedi a Deus que não me leve a voz e me conserve a sua unção.
Eu preciso falar, amar e entender a voz do meu coração.
Enquanto eu ainda vejo, tenho essa visão, eu vou tentar falar.
Eu quero então sentir o amor em mim.
E quando amor se fizer em sua plenitude eu serei o abecedário.
Então direi, escreverei, pensarei e produzirei.
E me derramarei num caldo de letrinhas pra me oferecer.
Assim não serei poeta sem dizeres e nem palavras sem sentidos.
O que quero agora é te esperar lá fora e consegui dizer que eu te amo!  

Robrielle