15/05/2015

O meu poder



Eu preciso saber o lado do sol.
E o lado da chuva.
O jeito que o vento entra, o jeito que o amor passa.
Se ela é no quarto e se eu aguento.
Se arde ou se faz sombra.
Eu preciso saber o lado da luz.
Vou fazer o sinal lá na cruz.
Pois preciso do amor de Jesus.
Eu sei que Ele invade o meu coração.
Eu preciso mudar de estações.
Dentro de mim eu preciso florir e colorir minha vida.
Eu preciso de canteiros para meu ser cuidar.
Eu preciso viver, eu preciso amar.
Eu não sei onde é que o vento faz curva.
E nem sei onde dobra o caminho.
Muito menos o meu destino.
Eu não sei de nada, sou uma besta da rua comento jornais.
Animal que rumina letras, letras nem sempre postas.
Eu preciso me batizar, eu quero professar e orar.
Eu sei eu nasci para amar.
Se chuva me molhar deste lado de cá eu vou para o lado de lá.
Vem para perto de mim pra poder não molhar.
Eu sei que nasci nesta vida só para amar.
Eu quero saber o que me espera no futuro.
Eu juro que não vou contar pra ninguém.
O que será de mim nesta vida se eu não tivesse esses alentos.
Eu faço o sol nascer, o dia escurecer...
Eu contemplo o nascer e o acaso que querendo já vai se esconder.
Eu espero o dia com toda alegria.
Eu faço sereno e faço chover.
Eu sou o orvalho, a flor e o perfume.
Eu pinto o céu, coloco estrelas, nomeio amores...
Eu tenho e ilusão e logo aguo o meu coração.
Eu sorrio e faço sorrir.
Eu não sei nada da vida, mas aprendo a lição.
Eu preciso de abraços, eu sou tão inconstante.
Não tenho estatura, mas me enxergo um monge.
Busco um amor nesta vida que está muito longe.
Faço o vento soprar, eu peço um amor para amar.
Eu não sou matemático e muito menos um cientista.
Mas eu conto as horas só te ver chegar.
Arrumo o quarto minguante e muito menos crescente.
São águas de amor e é sinal de enchente.

Robrielle



Nenhum comentário:

Postar um comentário