31/05/2015

Feridas



Hoje eu posso dizer que meu coração está ferido.
Sinto pelas perdas de pessoas de Arari.
Pessoas que eu conheci.
Pessoas que eu escutei.
Pessoas que tem a nossa cara e identidade.
Acho que sentir a dor dos outros é a mesma
coisa de sentir a nossa própria dor.
Tento usar da razão, mas sou humano.
E alguns humanos ainda sentem a dor que é de todos.
Coração chora, explica-se, dilacera, sente...
Sente um aperto que quer sufocar.
Arari e seu povo sente muito.
Choramos neste momento de extrema tristeza.
Cai sobre nós o peso da despedida.
Alguém que canta pra você ouvi e que fala dos sonhos.
Alguém que repete a mesma canção em vários tons.
Esse alguém ainda me agradeceu por várias vezes por escutá-lo.
Acho que hoje eu adoeci dos meus nervos.
Nestes dias de tristeza fomos abatidos dentro de nós.
Agredidos, pisoteados na cara como se não fóssemos gente.
Mas o que nos alenta é o chamado de Deus.
Deus nos acalma, cuida da alma e nos devolve a paz.
Escrevo isto para não sucumbir e não sufocar.
Resignar tem um limite.
Precisamos uns dos outros agora com correntes de oração.
Essa é a contrição de que as famílias combalidas, sofridas.
Comecem a sarar suas feridas.
Eu não tenho grandes palavras agora.
Mas sei que a nossa dor dói em todos nós. 

Robrielle

PENSAMENTO DO DIA: “As palavras devem encontrar consistência na vida, na prática, no compartilhamento, na intenção. Há os que usam as palavras para o mal. Mas existem os que se alimentam de palavras sábias, certeiras, por isso mesmo carregadas de sentimentos bons.” (Nilson Ericeira)

30/05/2015

Desejo


Ah quem me dera ouvi umas vozes que me confortassem.
Quem me dera um mar que eu pudesse transformar em oceano.
Quem me a virtude dos bons.
Quem me dera compreender certas coisas que não compreendo.
Quem me dera poder ler todos os livros e que eu pudesse mudar pra melhor.
Quem me dera poder influenciar pessoas para o bem.
Quem me dera se eu pudesse ser ouvido e que não ficassem só na fala.
Quem me dera poder me ouvir em momentos de lucidez.
Ah se eu pudesse melhorar o mundo!
Mudar pessoas.
Verbalizar e sentir o amor.
Quem me dera tantas coisas que eu não consigo.
Quem me dera que eu soubesse me proteger sem ser egoísta.
Quem me dera ter algum conhecimento sobre alguma coisa.
Mas eu não tenho e nem duvido de quem tenha.
Eu quero tantas coisas impossíveis.
Mas nem sei dizer, não sei falar.
Eu queria poder abraçar meu irmão.
Eu queria que na mesa não faltasse só pão.
Mas não sei multiplicar.
Eu queria enxergar um mundo melhor, mas não tenho leituras.
Me falta lucidez e sobra insipiência.
Quem me dera um pouco de tudo isso.
Eu sei que tem coisas que nem valem apena.
Não precisa explicar: eu não sou capaz.


Robrielle

DO BAÚ DA SEDUC – Educação nota 10 – Xadrez na escola



O campeão mundial de Xadrez, Rafael Leitão quando ainda muito jovem disputou partidas de Xadrez com alunos da escola pública, no Ginásio Costa Rodrigues.
Todos que entraram perderam as partidas inclusive o secretário de educação (nesse período) Lourenço Vieira da Silva. Mas o objetivo da competição era outro: unir, compartilhar, juntar, interagir, despertar conhecimentos múltiplos aliados à Matemática e outros saberes (grifo próprio).
Para percebermos que coisas boas já aconteceram na a educação do Maranhão. Eu estava lá. Parte inferior do formulário

Certamente você já ouviu dizer que a vida tem a cor que a gente pinta




11 h ·




Certamente você já ouviu dizer que a vida tem a cor que a gente pinta. Então para que a vida não perca a graça você precisa aprender a misturar cores; precisa encontrar na diversidade das cores. os melhores tons e decidir pintar sua própria tela, pondo nela seus melhores sonhos; suas mais nobres aspirações.
Cada dia tem rosto próprio; tem vida própria; tem sua própria história. Mas, você tem a singela missão de fazer do seu dia uma boa história. Lembre-se que o ar de ontem não é o mesmo de hoje. A música de ontem, não é a mesma de hoje. Afinal de contas, o mundo não para. Tudo se renova e com você não deve ser diferente. Enquanto caminhante, aprenda a viver bem o hoje, pois o ontem já ficou pra trás. O dia de hoje poderá ser transformado por você tanto em uma mancha sem graça como em uma obra de arte. A escolha é sua. Não seja ignorante. A ignorância deixa a alma triste, sem som e sem festa. Hoje, o seu Criador lhe oferece a oportunidade de colaborar com ele para colorir o mundo. Então, que tal começar pintando o seu rosto? Que tal renovar a própria imagem pondo um sorriso no rosto?

Parte inferior do formulário


PENSAMENTO DO DIA: “Incutir valores, respeitar as pessoas e as autoridades, preservar as instituições, eis um legado de que precisamos fortalecer em nós. Quem sabe, em agindo assim, poderemos sarar feridas, amenizar dores e até viver um pouco mais feliz”. (Nilson Ericeira)

29/05/2015

Caboclo Iris e seu carro de boi com os encantos do Boi Paraná!

Às cinco da manhã, bem na madrugadinha, todos os dias levantava-se para carrear, o senhor Iris do Céu Claro Chaves, o Caboclo Iris, como era chamado por todos. Tratava-se de um homem de porte físico invejável que sabia labutar com as dificuldades da vida. Além de carrear puxado pelo seu estimado boi Paraná, o velho Iris era agricultor e roçava todos os anos para sustentar a sua família.
Os produtos oriundos da sua roça de toco eram trazidos até a cidade pelo Boi Paraná. A sua cantiga produzida pela rodas de madeira era sinfonia marcada de saudades! E quando o Boi Paraná apontava no Axixazeiro, a alegria de todos eram o suficiente para comemorar o alimento que o velho carreiro trazia para alimentar a sua família.
Era uma alegria contagiante, as pernetas dos “iriszinhos”, confundiam-se com as passadas largas do velho Boi Paraná. Ao longe, viam-se sombra e pegadas que são marcas de memória no coração-poeta. 
Bananas, peixes, a lenha para cozinhar e o palmito para sustentar outros animais eram as mercadorias que o Boi Paraná carregava nos ombros.
Haim, haiimm, haiiimmm – quando o Boi Paraná surgia com sua personalidade forte – Pois era uma espécie de companheiro da família. E, obediente que era, escutava o chamado do velho carreiro pelas veredas e caminhos do Arari até o povoa de Côco.
O velho carreiro e a saudade - Irís do Céu Claro Chaves era um homem de bom trato, educado, conhecedor das luas e marés! Sabia como ninguém a hora de plantar e colher. Tocar fogo no mato sem agredir a natureza. Pescar enormes peixes que só ele via! Confeccionar um lindo côfo uma meançaba, uma corda um arreio. Esse homem, que descalço nos ensinava a andar, calçado com sua pelecata pulava os tocos que a queimada deixava.
Confirmo que o nosso caboclo Irís e o Boi Paraná marcaram uma geração de carreiros em nossa cidade e que o tempo trouxe de volta em meu arquivo de memórias.

Saudade cíclica


A saudade não me deixa ir pra bem longe.
Quando a saudade me ataca me traz teu retrato.
Me dá tua imagem.
Me dá teu sorriso!
Me faz imaginar, viajar pra mais perto de ti.
A minha saudade é igual um rio corrente.
É água que vai e que volta.
O sol que se abre e se ofusca.
É a flor que nasce, e nasce, e surge.
A minha saudade é o tempo que vai,
o que esvai, o que segue.
É um ciclo, é o sentido das batidas do meu coração.
É uma voz!
Tudo que eu preciso ouvir, sentir.
É a alegria, a melancolia, é a vida de volta.
É uma saudade contida de um certo sentido que nem sei contar.
É uma introspecção com todas vidas de que preciso pra viver.
São as batidas de meu coração.


Robrielle

O telefone da Semed de Arari não funciona



Há meses solicitamos providências junto à operadora OI para que seja realizada assistência técnica na linha de nº (98) 3452 03 94, pertencente à Secretaria Municipal de Educação (Semed-Arari), no que não tenho tido êxito, por isso, peço desculpas à sociedade, uma vez que a linha que deveria ser disposta à sociedade não pode ser usada tendo em vista os problemas apresentados e reclamados, porém não resolvidos.
Por várias vezes contatamos com a OI e nem sinal de resolução do problema. Por essa razão, coloco o meu número de telefone celular à disposição: 9882836297.
O prejuízo com a falta de manutenção da OI tem sido moral e material, uma vez que é neste telefone que deveríamos manter contatos de suma importância para a educação de nosso município.
Ressalto que há como comprovar as reiteradas vezes de solicitações por meio dos protocolos que nos forneceram quando de algumas reclamações de nossa parte. Tanto é que, desde que percebi o descaso em relação ao problema em epígrafe, designei um servidor para viabilizar reclamações junto à operadora OI.