29/10/2014

PENSAMENTO DO DIA: “O coração é o depositário do amor, não se consegue disfarçar o quê de especial que lhe toca. Assim como a vida, prepara-se para amar!” (Nilson Ericeira)

O dizer das flores





Disseram-me que as flores não falam.
Mas eu sei que as flores falam.
Respiram, transpiram e falam.
E até exalam.
Elas andam, movem-se, criam sentimentos.
Semeiam sementes e até falam, transmitem e calam.
As flores falam e andam, abraçam, desabraçam,
entrelaçam, antes dos abraços.
As florem sentem, têm coração e guarida.
As flores gritam, as flores gemem, as flores felicitam...
Elas até pedem socorro.
As flores enverdecem, amadurecem, as flores morrem.
As flores se intoxicam.
As flores sentem solidão, se despedem.
As flores camuflam, as florem sorriem com novos anúncios de vida.
As flores despertam quando são tocada por um tímido raiozinho de sol.
As flores são gentes presentes em forma de presentes.
As  flores sentem quando lhes tocam orvalho.
Mas se ressentem de espinhos.
Espinhos, agruras que a vida fez.
As flores são pessoas.
Elas choram quando lhes roubam seus destinos.
As flores falam, perdem a fala, silenciam.
As flores iluminam, despertam, fomentam amor no coração.
As flores calam, omitem, insinuam-se, entregam-se.
Elas desvirginam-se, riem e partem.
As flores querem, sentem, têm prazer.
Um delas me perfumou, deixou amor e essência.
Ainda me disseram que as flores não falam!
Elas têm faculdades, têm e não têm idade.
As flores têm idade e vivem no limite da eternidade.
Da mesma forma que no amor: as flores parem e somem. 
De tempo em tempo aparecem e anunciam o amor!

Robrielle