07/04/2020

O jornalismo faz bem para a democracia


Hoje é dia do Jornalista, uma das profissões que eu mais gosto de exercer, embora não tenha lucros materiais por meio dela. Aproveito esta oportunidade para deixar um texto que pode servir de reflexão sem, contudo, contrariar quem pense, age e escreve diferente.
Todo o cuidado é pouco, pois não se trata de uma 'gripezinha'. Tudo que pudermos fazer por recomendação de quem entende de saúde pública, para preservar as nossas vidas e ainda contribuirmos para que o mal não assole a humanidade, é sempre bem-vindo.
Ler, assistir e ouvir e por em prática, independente se somos adeptos a este ou aquele político. É uma questão de saúde pública. Das nossas janelas eletrônicas assistimos ao terror que o coronavírus já provou e ainda vai provocar. Resta-nos provado que, em todos os lugares que as orientações do isolamento social foram recomendadas, os efeitos foram menores.
É certo que a economia (lugar mais arrumação) não pode parar, mas já paramos para imaginar a economia, as atividades de um modo geral, sem gente para a produção? Entendo haverá o inverso do conceito, ou seja, uma desarrumação. O mundo precisa da dignidade por meio do trabalho, porém que se faça com vida pulsante!
A cada dia eu me torno mais consciente de que todos os nossos problemas passam pela educação, ou melhor, pelo desconhecimento dela.
Ignorância não é errar, mas saber que está errado e, por mais nobre que possa parecer o motivo, não mudarmos.
Desta forma, aproveito para parabenizar meus colegas jornalistas pelos dias de vida histórica e que tenham sempre muitas pautas a favor da vida e da democracia.

Nilson de Jesus Sousa (Nilson Ericeira)
Poeta, jornalista, professor, psicopedagogo e advogado


Arari, o amor nasceu aqui II

O sol que te aquece
O povo que te enaltece
Nossa gente que envelhece
Outras gentes que nascem
O rio e as águas que te abastecem
Os frutos que em ti amadurecem
Tudo isso é de Arari
A bandinha na praça
A voz de Arari a anunciar
O povo a caminhar
O pescador saindo para pescar
Nós a tarrafear
Esse amor é de Arari
Os bons dias de todos os dias
As nossas ave-marias
Nosso povo em procissão
Todos em romaria
A cantar canções em orações
O nosso peixe fresquinho
Tem 'curimatás' e capadinhos
Tudo isso em Arari
À tarde ás peladas na porta
Ah que saudade de nossos campinhos
Do campo do padre, do campo grande e mentirão
Em tudo que sentimos há devoção
Pois é o nosso amor por Arari
Arari, o amor nasceu aqui
Ali, acolá e em nosso lugar
Pois é amor por Arari
Nilson Ericeira

Vida política

A Política partidária tem data e hora marcada para começar e já começaram as articulações.
Embora eu já esteja devidamente e legalmente filiado ao PDT, nesta eleição que se aproxima, não serei candidato a nenhum cargo eletivo.
Gosto de Política e incentivo as pessoas a participarem do processo, pois democrático e instituído para que os administradores púbicos, em todas as esferas, exerçam com probidade e dignidades os seus papeis.
Qualquer especulação em relação a meu nome, como disse, 'especulações', não partem de mim e nem dos membros da minha família, com quem partilho meus interesses.
Porém, não desisto da Política porque acredito numa sociedade livre, respeitosa e menos desigual.

PENSAMENTO DO DIA: Infelizmente ainda hoje existem pessoas que ganham a vida levando e trazendo informações sobre outras pessoas. No contrato: mentiras e verdades. O que importa é prestar um serviço. (Nilson Ericeira)

06/04/2020

PENSAR É PRECISO: Na administração pública quando todos partilham dos mesmos objetivos e obedecem a princípios basilares desta, os cidadãos contribuintes certamente serão contemplados com que é de um e de todos. (Nilson Ericeira)

Meu amor, minha vida!



O amor não tem idade!


Então precisamos tratar as pessoas como descartes! Pessoas de menos e mais idades, viçosas, brancas, pardas, negras ou amarelas! Pensei que fosse só a dor e o desalento da pandemia em voga, cujo vírus faz estragos com vidas humanas, o pior é que também existem os que fazem em mídias, objetos de aparições frequentes.
Amamos as pessoas por afeto, por afinidades, por querer bem e por nos identificarmos com uma série de valores que comportam. Mas nem todos pensam assim, pois é o que demonstram nos seus casulos midiáticos. O amor não se mede pela idade de vida e a expectativa dela em cada um de nós e não é definida por nós mesmos, mas pertence a Deus. Sentido em que vejo com frequência a repetição de transcrições da Bíblica em alusão que devemos respeitar ás autoridades, e isto é verdade, pois a verdade bíblica é indiscutível, embora careça da melhor ou real interpretação. Entretanto, adianto que não me julguem e não me condenem, mas analfabeto funcional não sabe interpretar textos, e muitos menos os de inspiração de Deus. Cabe então mais uma pergunta do meu universo vocabular, por si só e, principalmente neste caso, em nada simpático. Mas e se a autoridade constituída não se respeita e não respeita os outros? Esta fica para quem puder me responder, mas que o faça com embasamento e fundamento.
Agora e depois dos fatos, creio e espero que a pandemia não faça ainda mais tantos estragos ao ponto de sufocarmos a nossa dor e não termos condições de nos ajudar como gostaríamos.  Resta provado que até a nossa solidariedade deve ser a distância e silenciosa, praticada sem o calor dos abraços, sem o deslizar das lágrimas em corpos presentes, sem os nossos apertos de mãos, sem o nosso sentir do coração tão próximo! Mas da mesma forma, devemos tirar a lição de que não nos preparamos e não estávamos preparados para cuidar da saúde de nosso povo, nem mesmo com a demanda que já existia. Isto é fato.
Vejam que apesar da dor, da clara e evidente catástrofe a que sofremos e assistimos a ela, ainda temos que escutar e ver impropérios, pois oriunda de total ignorância, obscuridade e despreparo! Esse é ponto centro do descarte humano de que alguns acham ou acreditam que pode acontecer sem que soframos pelas perdas. Mas se assim entendem, temo pelo descarte que há muito já estabeleceram pelos seus pais, avós, irmãos mais idosos e até dos amigos. Isto tudo nos levará a reflexões, e uma delas é de que quem ama não o faz pela idade, ou qualquer outro aspecto, mas ama sobremaneira pelo amor que sente.